Páginas

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

SAAB JAS-39 GRIPEN NG. A pulga alada cresceu!

 
DESCRIÇÃO
 
O avião de combate sueco Saab JAS-39 Gripen é chamado em diversos fóruns de discussão sobre assuntos militares de “pulga alada” uma forma pejorativa que denigre a imagem deste bom caça. Mesmo sendo uma aeronave pequena, ele apresenta um desempenho bastante respeitável sob qualquer ponto de vista. Sua limitação, amplamente apontada pelos protagonistas das intermináveis discussões pela internet e mesmo entre amigos entusiastas em um botequim, é sua autonomia mais baixa que seus concorrentes. De fato, temos que o JAS-39A/C Gripen tem um raio de combate de 800 km, pouco menor que o do F-16 que chega a 925 km sem os tanques de combustível externos.
 
A Saab, baseada nos pontos fracos apontados no seu produto, resolveu investir no desenvolvimento de uma versão de nova geração de seu moderno caça. O novo modelo é chamado de Gripen NG (New Generation). O principal ponto a ser melhorado era a autonomia e para isso, foi necessário modificar a estrutura do Gripen e mudar o posicionamento do trem de pouso traseiro JAS-39 A/C, liberando um espaço para um novo tanque de combustível com 1200 litros, aumentando a capacidade de combustível do Gripen NG em 40%. A partir de agora, o raio de combate do Gripen NG passou a ser de 1300 km, quando armado com 6 mísseis ar ar e um tanque externo. O alcance de translado passou de 3200 km para 4070 km com 3 tanques externos. As modificações estruturais levaram a um pequeno aumento de peso de apenas 200 kg, porém a capacidade de transporte de carga aumentou em uma tonelada.
 
Para lidar com o aumento de peso decorrente do aumento da capacidade do Gripen NG, o motor teve que ser substituído. A escolha do novo motor recaiu sobre o modelo General Electric F-414-400 usado no caça norte americano F/A-18E/F Super Hornet. O motor precisou passar por algumas pequenas modificações para adapta-lo ao uso como único motor, dando origem a versão F-414G, especifica para isso no Gripen NG. Este motor tem empuxo máximo de 9790 kg de empuxo, um acréscimo de 25% de potencia sobre o motor RM-12 (GE F404) do JAS-39A/C Gripen.
 
 
 
Este novo motor permite ao Gripen NG voar em regime de supercruzeiro de mach 1,2 armado com mísseis ar ar, o que foi demonstrado pelo protótipo Gripen DEMO em 21 de janeiro de 2009. Para quem não conhece o que é supercruzeiro, é a capacidade de voar em velocidade supersônica sem uso do pós-combustor, o que permite uma maior autonomia e ainda coloca o avião em vantagem quando estiver atacando, pois pode chegar mais rápido no ponto de lançamento das suas armas e sair rapidamente da área de combate. Hoje, apenas o supercaça F-22 Raptor, Typhoon e o novo caça PAK FA T-50 da Rússia conseguem voar em supercruzeiro.
 
O radar que será usado no Gripen NG será fornecido pela empresa italiana Selex Galileo, sob a forma do modelo ES-05 Raven. Trata-se de um novo radar de varredura eletrônica ativa (AESA), cujo alcance está estimado em 120 km contra um alvo do tamanho de um caça (RCS 5m2). Esse alcance representa um aumento de 25% frente ao alcance do radar PS-05 usado no caça JAS-39A/C Gripen de geração anterior. O radar Raven tem um ângulo de 100º de varredura para cada lado e terá capacidade de varredura ar ar e ar terra simultaneamente.
 
Especificamente, no modo ar terra, o radar Raven será capaz de mapear o solo, criando uma imagem sintética do relevo e de eventuais alvos. Já no modo ar ar, o Raven, permitirá engajar até 4 alvos simultaneamente com o uso de mísseis de médio e longo alcance guiados por radar ativo. Outra capacidade que este radar terá é a de guerra eletrônica, podendo interferir, de forma ativa, nos radares inimigos.
 
Além do radar, o Gripen NG terá um sensor passivo IRST Skyward-G, também desenvolvido pela Selex Galileo, equivalente aos sistemas IRST instalados nos caças russos MIG-29 Fulcrum e Su-27 Flanker, sendo capaz de rastrear alvos sem emissões, através do calor das aeronaves inimigas, o que dá uma alternativa para o Gripen NG caso esteja operando em silencio radar, para maximizar sua discrição operacional.
 
 
 
A suíte de guerra eletrônica do Gripen NG é composta pelo sistema Saab Avionics EWS-39. Este sistema emprega diversos recursos que alertam sobre emissões de radares inimigos (RWR) e sobre a atividade de guerra eletrônica como interferência (jammer) feita por forças opositoras. O sistema EWS-39 pode fornecer parâmetros para que o radar Raven seja usado para interferir nas emissões hostis, mostrando um elevado índice de integração dos sistemas do Gripen NG. O EWS-39 tem um sistema de detecção de aproximação de mísseis (MAWS) de nova geração, aumentando a consciência situacional e, conseqüentemente, a capacidade do piloto de se evadir em caso de ataque. O sistema ativa, automaticamente, os lançadores de chaffs e de flares para despistar os sensores buscadores dos mísseis inimigos.
 
 

 
 
Mesmo com o moderno sistema de guerra eletrônica do Gripen NG, a grande estrela dos sistemas eletrônicos instalados nele é seu sistema de datalink. A Suécia é líder mundial em termos de sistemas de intercambio de dados de uso militar sendo que o Gripen é a 3º geração de caças suecos a ser equipado com um sistema desse tipo que permite ao Gripen NG receber e mandar informações fornecidas pelos sensores dele e de outros elementos, como caças aliados, tropas em terra ou navios. A novidade do datalink instalado no Gripen NG, frente ao sistema instalado no Gripen C é que no NG, o sistema poderá se comunicar com o link 16, padrão das aeronaves de combate da OTAN. Chamado de TIDLS (Tactical Information Datalink System), este sistema é o mais avançado datalink já desenvolvido no mundo.

TSO uso de interface de barramento MIL-STD 1553B facilita a integração de novos aviônicos e de armamentos de diversas procedências. Assim, pode-se de dizer, que o Gripen NG é um dos aviões de combate com maior flexibilidade de opção de armas do mercado. Na arena ar ar, o NG poderá ser armado com mísseis de curto alcance da família AIM-9 Sidewinder, o A-Darter que está sendo desenvolvido pela África do Sul, com aporte financeiro brasileiro, Python IV e Python V de Israel, AIM-132 Asraam da Inglaterra e o ótimo míssil IRIS-T, desenvolvido pela Alemanha. Os mísseis de médio alcance que estão disponíveis para o Gripen NG são o AIM-120 Amraam, o míssil Derby, já em uso no Brasil, e o novo míssil Meteor, cujo alcance excede os 110 km. Todos estes mísseis de médio alcance são guiados por radar ativo e por tanto são do tipo “dispare e esqueça”.
 

 

Já, o arsenal ar terra, é composto por um, igualmente variado leque de armas, que vão das bombas guiadas a laser da família Paveway (GBU-10, 12, 16), bombas guiadas por GPS da família JDAM (GBU-31, 32, 38), a bomba de planeio AGM-154 JSOW, também guiada por GPS, a bomba dispensadora de submunições DWS-39, e mísseis ar superfície como o Taurus KEPD-350 e o RBS-15, usado para destruir navios de guerra, e o míssil AGM-65 Maverik.
Ao todo, existem 10 pontos duros sob as asas e fuselagem do Gripen NG, para transporte de cargas de combate, tanques de combustível e casulos de sensores, totalizando até 6000 kg de carga externa.
O armamento interno do NG é representado por um potente canhão Mauser BK-27 de 27 mm carregado com 120 munições e capaz de uma cadência de 1700 tiros por minuto.
 
 
 

A Saab desenvolveu o Gripen NG para ter um produto mais agressivo no mercado de defesa internacional. A Suécia deverá adquirir algumas unidades deste modelo, porém, é claro que o foco do NG é o mercado de exportação. Até mesmo uma nova versão navalisada, projetada para operar a partir de navios aeródromos está sendo oferecida ao Brasil e a Índia que dispõe de porta-aviões e que um novo caça de nova geração já representa uma necessidade.
 
 
 
O aumento significativo do alcance e a instalação de um sistema de datalink compatível com os sistemas similares ocidentais mostram que o foco da Saab é agradar os paises membros da OTAN, notadamente aqueles que não dispõe de uma industria aeronáutica e que os orçamentos militares não são tão generosos, como a Holanda, Dinamarca e Noruega. O Brasil, através do seu interminável programa FX-2, tem tido uma grande atenção da Saab também que tem feito um esforço incrivelmente grande para convencer as autoridades brasileiras sobre as vantagens de seu caça. Muitos membros da força aérea brasileira preferem o Gripen NG devido ao custo operacional mais barato que o de seus concorrentes bimotores como o Rafale e o F/A-18E Super Hornet. Porém devido a o fato da decisão ser política, ainda teremos que esperar para ver o fim desta novela.
 
 
FICHA TÉCNICA
Velocidade de cruzeiro: mach 1,2
Velocidade máxima: mach 2.0
Razão de subida: *15240 m/min
Potência: 0,93
Fator de carga: 9 Gs
Taxa de giro: 30º/s
Razão de rolamento: 220º/s
Teto de serviço: 16000 m.
Raio de ação/ alcance: 1300 km/ 4070km
Alcance do radar: Selex ES-05 Raven 120 Km
Empuxo: Um motor General Eléctric F-404G com 9790 kgf de empuxo máximo.
DIMENSÕES
Comprimento: 14,1 m
Envergadura: 8,4 m
Altura: 4,5 m
Peso: 7100 kg.
ARMAMENTO
Ar Ar: Míssil AIM-120 Amraam, Meteor, Sidewinder, Iris-T, Python 4, Python V, A-Darter, AIM-132 Asraam, Míssil Derby
Ar Terra: Míssil AGM-65 Maverick, RBS-15F antinavio, Bombas guiadas a laser da família Paveway (GBU-10, 12 e 16), Bomba dispensadora de submunições DWS-39 planadora, Bombas da família JDAM, guiadas por GPS (GBU-31, 32, 38), míssil antinavio RBS-15, míssil Taurus KEPD 350, Bomba guiada por GPS Spice, Bombas de queda livre da série MK-80.
Interno: Canhão Mauser BK-27 de 27 mm com 120 munições.
 
 
 
Por: Carlos E. Di Santis Junior
Fonte: Campo de Batalha Aerea
 
 

Um comentário: